Redes Distribuídas

Redes Distribuídas

Recentemente assisti a um episódio do programa Café Filosófico da TV Cultura, que me chamou muito a atenção. Este post é apenas para compartilhar o episódio. O convidado é Augusto de Franco, um cientista de redes que explica os três principais tipos de redes existentes: centralizada, descentralizada e distribuída.

A caminho das redes distribuídas

Nos dias de hoje, vivemos em organizações e empresas que já saíram das redes centralizadas e migraram para as descentralizadas. Na medida em que essa evolução caminha para a organização de redes distribuídas, as pontes entre as pessoas começam a quebrar.

Ou seja, todos podem acessar todos, sem precisar de intermediários. Nesse ponto, Augusto chama a atenção para o que é o termo social. Não são as pessoas que formam o social, mas sim o que está entre elas. Portanto, é o tipo de conexão que existe entre as pessoas que determina o caráter social daquela rede.

Para reforçar o potencial das redes distribuídas, ele dá exemplos vindos da natureza. O cérebro é uma rede distribuída de neurônios, não existe um neurônio “gerente”. Num ecossistema é a mesma coisa. Uma rede distribuída de seres vivos.

É um painel muito interessante, que vale assistir. Ele nos faz refletir sobre os caminhos que estamos tomando em nossa sociedade, tanto no ambiente digital quanto no real.

Abaixo, o episódio completo.

Atuo como roteirista e produtor executivo de TV há 12 anos. Passagens por BAND, SBT e produtoras independentes no departamento de roteiro e desenvolvimento de projetos com trabalhos exibidos no Multishow, Canal Sony, SBT, Disney Channel e NETFLIX. Auxilio produtores a formatarem seus projetos com as consultorias em produção executiva e roteiro.

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

13 − 8 =